domingo, 23 de julho de 2017

Minhas Top Voices do Rock - Chester Bennington




* 20 - 03 - 1976 † 20 - 07 - 2017


No mês de abril deste ano listei num post quais eram os meus seis vocalistas de Rock prediletos, e entre eles estava Chester Bennington, do Linkin Park (ver aqui). Jamais imaginaria que três meses depois o mundo perderia Chester e com ele uma das vozes mais sensacionais do estilo, potente, afinada e doce ao mesmo tempo.

Não me recordo exatamente quando começou minha história com a banda, talvez ouvindo as músicas que meu irmão tocava. Lembro que em dezembro 2012 tomei conhecimento de duas músicas que não faziam parte das Playlists das rádios: My December (2002) e The Messenger (2010), as quais me foram passadas por uma pessoa que estava fazendo treinamento comigo na empresa que ainda trabalho agora; duas canções que seguem comigo até hoje. Também tenho no meu computador coletâneas da banda desde 2000, BBC, ao vivo em Nottingham, Texas, e outros.

Não sou daquelas fanáticas por artista nenhum, mas quando eu admiro alguém eu abro um espacinho todo especial no meu coração. Por isso mesmo quando soube pela internet da notícia da morte de Bennington tomei um choque, meus olhos lacrimejaram e fiquei feito boba repetindo suas músicas no meu celular.

Como eu não domino inglês, fui revisitar as letras das canções de Chester e quão assustada fiquei ao perceber que todas elas, quase sem exceção, eram verdadeiros gritos de desespero, de uma pessoa sufocada pela depressão, engolida por seus medos e sofrimentos:


Estou cansado de ser o que você quer que eu seja
Me sentindo tão sem fé, perdido sob a superfície
Não sei o que você está esperando de mim 
Colocado sob pressão 
De andar com seus sapatos 
 Numb 

Eu tentei tanto e cheguei tão longe 
Mas no fim, isso não tem mais importância 
Eu tive que cair, que perder tudo 
Mas no fim isso não tem mais importância
In the End

Rastejando dentro da minha pele 
Estas feridas, eles não curarão
Medo é o que me derruba 
Confundindo o que é real  
Crawling

O que eu fiz 
Eu vou me encarar 
Para eliminar o que eu me tornei 
Me apagar 
e deixo ir o que eu fiz  
What I've Done

Eu quero me curar, eu quero sentir 
O que eu nunca achei que fosse real
Quero me livrar da dor que eu senti durante tanto tempo 
(apagar toda a dor até que ela se acabe) 
Eu quero me curar, eu quero sentir 
Como se estivesse perto de algo real 
Eu quero encontrar algo que sempre quis 
Lugar ao qual eu pertenço  
Somewhere I Belong

Tudo fica tão mais triste quando o grito de socorro foi dado e tantos ouviram mas ninguém realmente escutou...

Minha esperança é que no seu último segundo ele tenha percebido que o amor de Deus é o único que sempre está acessível enquanto estamos em vida, e que tenha crido mesmo sem conseguir se livrar da corda em seu pescoço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário