terça-feira, 20 de abril de 2010

Pérolas da cultura musical brasileira

"O bicho vai pegar
A selva toda vai chegar para deitar e rolar
Se o bicho homem aparecer vai ter muvuca
A selva toda vai gritar Filho da P....!"

Zoodstock - Grupo Inimigos da HP
compositores: Sebá e Gui


"Vou Construir minha casinha
Lá no alto do cerrado
Mas eu só levo a Rosinha
Depois de tudo acabado
É feita de pau-a-pique
Colada com eucatex
E na parede tem quadrinhos
Presos com fita durex
Tem fios pra todo lado
Só falta eletricidade
Mas não demora ela chega
Vem junto com a cidade
Aí eu vendo essa merda
E encho o C.. de dinheiro
E a Rosinha que se Foda
Eu vou morar no puteiro!"

Rosinha - Grupo Jeito Muleque
Compositor: Ary Toledo


"Eu Vou mudar tudo que não me convém
Hoje tenho tudo que podia querer mas,
dinheiro não é tudo, tenho muito a fazer
(...)
Ame seu pai mesmo se ele for um porco capitalista
(...)
Eu não sei fazer poesia... Mas que se foda!
Eu odeio gente chique, eu não uso sapato... mas que se foda!
Eu odeio hipocrisia... Mas que se foda!"

Não uso sapato - Charlie Brown Jr.
Compositores: Chorão, Marcão,Champignon e Pelado.


Há entretanto neste festival de "canções", uma específica, que passa despercebida pelos ouvidos mais conservadores, pela alquimia perfeita entre letra e música, mesmo contendo uma palavra que em tempos remotos era tida como de "baixo calão". Palavra esta que eu, certo dia, falei brincando que 'já constava até no dicionário'. Brinquei porque não havia consultado todos os dicionários! Nos mais tradicionais como o Aurélio, não consta mesmo, mas no dicionário "Priberam" europeu (Portugal) existe a definição da palavra: Foda (ó) s.f: Derivação regressiva de foder; que por sua vez significa ato sexual, coito, cópula...("Oh! Não diga?")

Ainda pra complementar, o dicionário cita um sinônimo geral: Fornicar. OK, após essa aula geral sobre palavrões, voltarei a música que me inspirou este post. "Me Adora" é a música em questão. Interpretada pela cantora Pitty, e composta por ela própria junto com Derrick Green e Andreas Kisser. Me adora, é um rock romântico, de melodia agradável, e letra quase eloquente, não fosse por um detalhe: A PALAVRA!   

"Tantas decepções eu já vivi/ aquela foi de longe a mais cruel/ Um silêncio profundo e declarei:/ Só não desonre o meu nome(...)
Você que nem me ouve até o fim/ injustamente julga por prazer/ Cuidado quando for falar de mim/ E não desonre o meu nome.
Não sei o que eu tenho que fazer pra você admitir/ que você me adora/
Que me acha foda/ não espere eu ir embora pra perceber(...)
Não importa se eu não sou o que você quer/ não é minha culpa a sua projeção/Aceito a apatia, se vier/ Mas não desonre o meu nome(...)
Que você me adora/ me acha foda(...)

Na letra ela faz questão de honrar seu nome forçando-o a admitir que a acha Foda! O que seria achar alguém foda, segundo a definição do dicionário? Seria achar a pessoa sexualmente atraente (pra ser razoável...)? Até aí tudo bem, nem soa tão mal assim! Século XXI... Passa! Seria esta a mensagem da música? Qual seria o conceito de honra ao nome proposto pela música? Duvido que a Pitty tenha parado para ler a definição da palavra, nem eu polemizo tanto, a questão é onde vamos parar? Coisas sem nexo passam a fazer sentido, e se não fazem sentido, também não tá fazendo diferença! Chorão mesmo admite que não sabe fazer poesia!

Há porém na música, uma mensagem quase subliminar que tem a ver com a definição do Priberam: "Será que eu já posso enlouquecer/ ou devo apenas sorrir?" Ou seja se ele admitir...



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário